Curso de Canto Litúrgico reuniu leigos e religiosos em Porto Alegre
O Centro de Pastoral, localizado na Capital, acolheu os mais de 80 inscritos para o 43º Ensaio de Canto Litúrgico e Pastoral, nesta sexta-feira 05 de julho. O primeiro dos dois dias de programação teve sorteio de brindes, momentos de oração e formação, palestras e trabalhos para o aprimoramento da técnica vocal. Padre Pedro Ritter, que está à frente do Setor de Canto do Regional Sul 3 da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), fez o papel de mestre de cerimônia e se revezou entre avisos e brincadeiras com a plateia e o violão de apoio.
 

Uma das razões do encontro foi a apresentação oficial do kit promocional do 43º Ensaio de Canto Litúrgico e Pastoral, que contém um CD com 28 músicas e um livro com letras e partituras de 38 canções. O CD traz composições dos padres José Carlos Sala e Ney Brasil Pereira, das Irmãs Delory Moraes e Marinês Hammes − sendo esta a autora da música de abertura Cantem ao Senhor ao som dos instrumentos −, e outros colaboradores. O livro tem revisão do maestro Adriano Trindade, edição de Bianca Griebeler e arte gráfica da Irmã Carla Ferreira da Silva.

Frei Luiz Turra, que assina sete composições do álbum, comandou os cânticos com muita descontração. “O sorriso é uma linguagem fantástica. Devemos sempre lembrar do filme Mudança de Hábito, quando aquela ‘nova Irmã’ chegou, com toda sua alegria, e deixou o canto do coral renovado e muito melhor”, sugeriu ele. O religioso comentou um dos trechos de sua música A pesca milagrosa: “o refrão é como quando o papa nos pediu para lançarmos a rede em águas mais profundas”. E ainda acrescentou, “a nossa oração a Deus tem que ser insistente, tem que bater pé”.
 

O trabalho das pessoas que se doaram pelo projeto mereceu os agradecimentos de padre Pedro e de Fernando Petry, que é um dos coordenadores da Música Litúrgica no Regional Sul 3 e pertence à comunidade da Diocese de Montenegro. Entre as ações da equipe está mais uma iniciativa de compartilhamento que ultrapassa as fronteiras do Rio Grande do Sul. “Toda semana eu envio por e-mail as cifras das músicas do Dia do Senhor e também os vídeos para que as pessoas vejam como as músicas são cantadas. Nós começamos com uma lista pequena e hoje são mais de mil cadastrados que recebem semanalmente esse conteúdo”, relatou Petry sobre o serviço que está disponível a qualquer pessoa que queira se cadastrar para recebê-lo.

Para facilitar a correta preparação para os cânticos, a pronúncia foi um dos itens mais destacados junto aos participantes. Já que a grande queixa das paróquias, seja no canto ou nas leituras da liturgia, é justamente a compreensão das palavras que são ditas ou cantadas sem maiores cuidados. “Acontece muito nas comunidades o investimento financeiro em sonorização, buscando melhores equipamentos. Mas, às vezes, se esquece da preparação de quem vai ler ou cantar”, relatou o maestro Adriano Trindade.

Não menos importante na hora de cantar é a expressão corporal. O assunto ficou a cargo de Michelle Girardi, que colocou o público literalmente de pé. “Não se canta apenas com a voz”, ressaltou a integrante da Pastoral Litúrgica e Mestranda em Música pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Ela também trouxe dicas práticas para cuidar da voz.

A lista de orientações pode ser resumida em sete pecados que atentam contra a saúde vocal: não hidratar o organismo; falar, cantar em ambientes secos, empoeirados ou que possuam ar condicionado; tossir ou pigarrear excessivamente; praticar exercícios falando; fumar ou falar muito em ambientes com fumantes; utilizar álcool em excesso; e falar demasiadamente. “E claro, beber muita água à temperatura ambiente”, recomendou Michelle como o melhor cuidado para a voz.

Membros das Dioceses de Bagé, Cachoeira do Sul, Cruz Alta, Montenegro, Novo Hamburgo, Rio Grande, Vacaria e das Arquidioceses de Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre e Santa Maria acompanharam o apelo especial de Frei Turra. Para ele, é necessário que todos estejam empenhados em resgatar a mística dentro da Santa Missa e da própria vida junto à Igreja. Inclusive pela meditação e pelo silêncio. “O Ensaio de Canto é uma forma de manter e cultivar a comunhão dentro da Igreja no Rio Grande do Sul. É um modo de cultivar a alegria e a esperança de uma Igreja e de um mundo melhor. Além disso, o canto é uma terapia e uma forma privilegiada de louvor”, enfatizou Frei Turra entre uma e outra canção.

Eliana Patrícia Stumpf
Assessora de Comunicação


CNBB - Regional Sul 3
Sitewww.cnbbsul3.org.br



Postado por Magnus Regis - Jornalista PASCOM
Em 12 de julho de 2013, ŕs 14h 18min